UPA de Tabatinga terá novo anestesista após diretora ser conduzida pela Polícia Federal

Um novo médico anestesista deve chegar à UPA, Unidade de Pronto Atendimento, de Tabatinga, no Amazonas, ainda hoje. A decisão atende determinação da Justiça Federal que recomendou à Secretaria de Saúde do Estado que garanta o funcionamento das unidades envolvidas na operação Maus Caminhos, deflagrada pela Polícia Federal do Amazonas ontem.

Com o objetivo de combater o desvio de recursos da saúde pública, a polícia federal cumpriu mandados de prisão, de busca e apreensão e conduções coercitivas. A ação foi realizada em Manaus, Tabatinga e Itacoatiara.

Em Tabatinga, a Gestora da UPA, Pauline Campos, foi conduzida pela polícia federal para prestar esclarecimento sobre o suposto desvio de recursos da saúde pública. Pauline, é anestesista e era a única profissional dessa área na cidade que realizava atendimentos no Hospital Militar e na UPA. Ela foi afastada das unidades e fica à disposição da Justiça até a conclusão das investigações.

Conforme a investigação da CGU,Controladoria Geral da União, de abril de 2014 a dezembro de 2015 oFundo Estadual de Saúde transferiu cerca de 276 milhões de reais à organização social Instituto Novos Caminhos para administrar duas UPAs, uma em Manaus e uma em Tabatinga, e um centro de reabilitação para dependentes químicos, no município de Rio Preto da Eva. De acordo com a CGU, os repasses milionários chamaram a atenção. Ainda segundo o órgão, entre maio e agosto deste ano, os principais fornecedores teriam recebido pagamentos por serviços indevidos, não prestados e superfaturados.

No total foram cumpridos 13 mandados de prisão preventiva, três mandados de condução coercitiva, 40 mandados de busca e apreensão, 24 de bloqueios de bens e 30 de sequestros de bens.