Secretaria de Educação vai investir R$ 1,5 milhão na alimentação escolar indígena no Alto Solimões

Iniciativa visa adquirir merenda escolar para o ano letivo de 2020; cerca de 55 escolas da rede serão beneficiadas.

Foto: ASCOM/PMBC

A Secretaria de Estado de Educação e Desporto vai investir R$ 1,5 milhão na  Chamada Pública para aquisição de merenda escolar voltada à comunidade indígena do Amazonas. O anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira (11/11), durante reunião entre representantes da Secretaria, do Ministério Público Federal (MPF) e do Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar da Universidade Federal do Amazonas (Cecane-Ufam). A Chamada Pública está prevista para ser aberta no próximo dia 29 de novembro.

Com o valor, 55 escolas da rede e 29 municípios do estado serão beneficiados: Alvarães, Amaturá, Anamã, Atalaia do Norte, Autazes, Barreirinha, Benjamin Constant, Borba, Carauari, Careiro da Várzea, Coari, Humaitá, Itacoatiara, Itamarati, Japurá, Jutaí, Lábrea, Manaus, Manicoré, Maraã, Maués, Nhamundá, Parintins, Santa Isabel do Rio Negro, Santo Antônio do Içá, São Gabriel da Cachoeira, São Paulo de Olivença, Tabatinga e Tefé.

“Estamos abrindo um procedimento administrativo e legal, justamente para identificar a produção dessas comunidades indígenas e trazer esses alimentos para a composição do cardápio da merenda escolar da rede estadual”, pontuou a diretora do Departamento de Logística (Delog) da Secretaria de Estado de Educação e Desporto, Georgete Monteiro.

De acordo com José Alan Girão, integrante do Núcleo de Apoio a Programas de Economia Regional (Naper) da secretaria, a iniciativa planeja atender ao máximo às especificidades dos produtores indígenas do interior.

“As crianças dessas comunidades possuem uma vocação agrícola e estão acostumadas a consumirem certos tipos de alimentos no seu dia a dia. Então, temos certeza que a Chamada Pública trará não somente uma melhor qualidade de vida aos estudantes, como também gerará emprego e renda nos municípios”, completou José Alan.

Ele afirma ainda que a Secretaria de Educação e Desporto já possui uma prévia de cardápio pronta e que o mesmo difere das demais Chamadas Públicas desse segmento, englobando uma variedade maior de gêneros alimentícios: “Temos goma de tapioca, açaí, camu-camu, buriti e pescada regional. Além desses produtos, deverão surgir outras demandas específicas de cada região”.

Previsão – A primeira Chamada Pública para aquisição de merenda escolar voltada à comunidade indígena terá vigência de 12 meses e promete atender ao ano letivo de 2020. “Após o término desse período, a Secretaria deverá abrir uma nova Chamada. Desta vez, visando o ano de 2021”, concluiu José Alan Girão.

Por: Portal Otambaqui