Vasco perde para Cabofriense por 2 a 0 e tem invencibilidade interrompida

19

Se no sábado o Vasco se tornou meme na internet aparentemente sem razão, por conta de um comentário do ídolo Edmundo no perfil do craque Lionel Messi, neste domingo há um motivo mais específico para a brincadeira: o festival de gols perdidos. Embora superior os 90 minutos, o time perdeu por 2 a 0 para a Cabofriense, pela Taça Rio, e inaugurou a primeira derrota na temporada. O resultado interrompeu a lua de mel da torcida com a equipe e o técnico Alberto Valentim, vaiados em Cariacica (ES). Com cinco pontos, o Vasco é apenas o terceiro colocado no grupo B, mas tem vaga garantida na final do Estadual por ter conquistado a Taça Guanabara. Na quarta-feira, o adversário é o Resende.

Sem Cáceres, Werley, Castan e Lucas Mineiro, que não atuaram por desgaste físico, além do suspenso Maxi López, o Vasco não demonstrou o mesmo conjunto das partidas anteriores. Mesmo assim, a equipe criou uma série de chances claras, na pequena área, mas a dupla de ataque formada por Ribamar e Marrony desperdiçou várias oportunidades no início. Marrony mandou uma bola na trave, assim como o lateral Claudio Winck. E um gol de Ribamar anulado por impedimento. Sem nada com isso, a Cabofriense se postou bem na defesa, e na única chance de perigo, fruto de falha coletiva da defesa vascaína, saiu em vantagem no primeiro tempo, gol de Rincon.

Galhardo foi acionado por Alberto Valentim, e provocou as principais jogadas de perigo no segundo tempo. No entanto, o Vasco seguiu perdendo gols. Rossi parou no goleiro George, e Marrony, artilheiro do time na temporada, errou o alvo sem marcação dentro da área, mais uma vez. Com Pikachu em campo, o Vasco se abriu de vez em busca do empate, e a Cabofriense se fechou completamente. Os dois titulares se somaram a Bruno Cesar na criação e no domínio das ações.

Mas não era o dia do Vasco. Em contra-ataque veloz, a Cabofriense ampliou com Bruno Lima. Assim como no primeiro gol, o goleiro Fernando Miguel não saiu na bola, e permitiu, assim como os zagueiros, que o jogador escorasse o cruzamento. O time de Valdir Bigode, que teve o nome gritado pela torcida do Vasco, ainda poderia ter ampliado. Liga-se o sinal amarelo em São Januário. Em dia que poupou jogadores, o Vasco deu sinais claros de que o cobertor curto de um elenco limitado cobraria seu preço.