Sem médicos cubanos, prefeituras do Alto Solimões buscam solução para as filas de espera

Com a saída dos médicos cubanos do Mais Médicos, o Ministério da Saúde abriu edital para ocupar as vagas dos mais de R$ 8,5 mil estrangeiros que atuam ou atuavam no Brasil.

44
Foto: Nailson Tenazor

Profissionais cubanos começaram a deixar o país na última quinta-feira (22) e a expectativa é que todos deixem o Brasil até o dia 12 de dezembro. No Alto Solimões, prefeitos e secretários de saúde, já emitiram notas preocupados com o reflexo dessa decisão em relação aos atendimentos da saúde básica.

É o caso de Benjamin Constant, que contava com 04 médicos cubanos para atender a população de aproximadamente 40 mil habitantes mais os peruanos da vila de Islândia no Peru, que buscam consultas e tratamentos no hospital da cidade.

Em entrevista, ao programa “Café com  Bhacana”, o prefeito da cidade, David Bemerguy, disse que espera que a chegada dos novos médicos contratados pelo programa, possa ser o mais breve possível, já que não há orçamento suficiente para contratar novos médicos.

O Ministério da Saúde informou que 96% das vagas abertas pelo programa Mais Médicos foram preenchidas.

Desde a última quarta-feira (21), quando começaram as inscrições, mais de 29 mil médicos brasileiros procuraram o programa. Desses, mais de 20 mil foram efetivados, ou seja, tiveram as informações conferidas pela pasta.

Do total de inscritos, 8.230 já escolheram os municípios onde pretendem atuar. O número representa 96% do total de vagas abertas pelo novo edital.

Por: Portal Otambaqui