Prefeito de Tabatinga quer Força Nacional permanentemente na cidade

Saul Bemerguy quer poder militar e infraestrutura social e econômica para combater narcotraficantes

Entrevista Saul Bemerguy Marcello Bhacana//EBC//CC

O prefeito de Tabatinga, na tríplice fronteira (Brasil, Colômbia e Peru) defende que a Força Nacional com um efetivo de no mínimo 80 homens fique estacionada, permanentemente, no município. “A presença das forças armadas no exercício internacional humanitário, que contou com a presença recentemente de vários países como observadores e o Peru e a Colômbia com tropas, deu grande visibilidade à região do Alto Solimões. Mas para que as grandes cidades como Manaus, São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, tenham paz, é fundamental ampliar a segurança aqui”, afirmou o prefeito Saul Nunes Bemerguy.

Bemerguy, que está em seu segundo mandato como prefeito, o primeiro foi de (2009-2012), entende que não há como impedir que os narcotraficantes que dominam os carteis dos lados das fronteiras da Colômbia e do Peru diminuam os envios de drogas para o Brasil; se não for traçada uma política de segurança nacional, dentro da tradição do Programa Calha Norte e do emprego de inteligência e tropas, para combater os  grupos que atuam na região.

O Exército brasileiro, através do seu efetivo permanente de Tabatinga, tem conseguido diminuir a atuação dos carteis com suas patrulhas na selva e seus pelotões de fronteiras. Mas, mesmo assim, tem sido insuficiente, porque a estratégia mais conhecida do narcotráfico é a mobilidade, para fugir do controle e da fiscalização oficial.

Por: Luciano Nascimento, Agência Brasil