Marinha e exercito realizam “Aciso” em Estirão do Equador

Foram fornecidos a população vários serviços de saúde como: atendimento médico, odontológico, vacinação, dispensação de medicamentos e exames laboratoriais.

36
Foto: 4° Pelotão Especial de Fronteira - Estirão do Equador

Os militares da Marinha do Brasil em conjunto com os militares da seção de saúde do 4° Pelotão Especial de Fronteira de Estirão do Equador, no município de Atalaia do Norte, promoveram uma Ação Civico Social – ACISO, para a comunidade de Estirão do Equador. Foram fornecidos a população vários serviços de saúde como: atendimento médico, odontológico, vacinação, dispensação de medicamentos e exames laboratoriais.

Os atendimentos iniciaram às 9h, e perduraram até às 20:30h, sem pausa para o almoço.  Foram realizados aproximadamente 130 atendimentos médicos, 30 atendimentos odontológicos, 40 exames laboratoriais, 380 medicações dispensadas e 60 vacinações. Um profissional especializado na área dermatológica esclareceu dúvidas e conscientizou a população sobre hanseníase.

Todos os pacientes destinados ao atendimento médico realizaram uma prévia triagem com a enfermeira da Marinha que coletou os dados pessoais, assim como pressão, altura e peso dos pacientes. As amostras para realizar os exames laboratoriais, foram coletadas pelos militares da seção de saúde do 4° PEF e posteriormente encaminhadas para o Navio para serem analisadas pela farmacêutica da Marinha. 

Os medicamentos foram dispensados pela farmacêutica do 4° PEF, sendo as medicações fornecidas pela Marinha e também pelo Exército. A dentista do 4° PEF realizou a triagem dos pacientes para atendimento odontológico, sendo esses encaminhados para o Navio de assistência hospitalar (NAsh) Oswaldo Cruz (U-18) para serem atendidos.

A vacinação foi um ponto importante do Aciso, pois a população possui grande dificuldade de manter a carteira de vacinação atualizada, principalmente das crianças, pois nessa comunidade não possui nenhum tipo de vacina. A ação cívico-social foi de extrema importância devido a grande carência da população e das dificuldades logísticas dessa localidade.


*Via 4° Pelotão Especial de Fronteira – Estirão do Equador