Jornalista Paulo Henrique Amorim morre no Rio de Janeiro

A Record, ultima emissora para a qual o jornalista trabalhou, confirmou a informação na manhã desta quarta-feira.

32
Foto: Internet

O jornalista Paulo Henrique Amorim morreu na madrugada desta quarta-feira (10), aos 77 anos, em sua casa, no Rio de Janeiro.

A Record, ultima emissora para a qual o jornalista trabalhou, confirmou a informação na manhã desta quarta-feira. Paulo Henrique foi vítima de um infarto fulminante.

Segundo a emissora, ele havia saído para jantar com amigos na noite desta terça-feira (9), e faleceu após chegar em casa.

O jornalista apresentava até o ultimo mês de junho o programa Domingo Espetacular na Record, onde começou a trabalhar em 2003, mas foi afastado no final do mês de junho após 13 anos no comando da atração, 

Paulo Henrique Amorim começou a trabalhar em 1961, no jornal A Noite. Teve passagens por diversas revistas, jornais e quase todas as emissoras de TV do país.  Pela extinta TV Manchete, TV Globo, TV Bandeirantes, TV Cultura, tendo atuado também como correspondente internacional.

Nas redes sociais, políticos, colegas de profissão e leitores prestam homenagens nesta quarta-feira (10). 

O Prefeito do Rio, Marcelo Crivella, publicou uma nota de pesar destacando a atuação multifacetada do jornalista e o fato de ele ter sido um dos primeiros profissionais a levar o jornalismo para a internet.

A presidente da Federação Nacional dos Jornalistas, a Fenaj, Maria José Braga, destacou a relevância do trabalho crítico de Paulo Henrique Amorim, que também atuava como jornalista independente mantendo o blog Conversa Afiada. 

A ultima postagem do blog foi exatamente sobre a provável votação da Reforma da Previdência nesta quarta-feira (10).

O ultimo vídeo de Paulo Henrique foi postado no início desta semana, após assistir a final da Copa América, ele publicou uma reportagem da TV Afiada, com comentários críticos sobre futebol e a seleção brasileira.

Paulo Henrique também deixou como legado diversas publicações sobre jornalismo, comunicação e política como os títulos  “O Quarto Poder: uma outra história”, “Manual Inútil da Televisão e outros bichos curiosos”, e “Partidos e Políticos”.

Por: Raquel Junia- Agencia Brasil